2050: Os desafios da transformação dos sistemas de saúde

Artigo de Arielle Le Bail, Project Analyst na FABERNOVEL Paris

 

Mais vale prevenir do que remediar. Ainda vamos a tempo de fazer de 2050 um mundo em que a saúde é transparente, acessível e eficaz. Como poderia ser possível? 

9,7 mil milhões de habitantes na Terra, um influxo de 2,5 mil milhões de pessoas nas cidades e uma crise climática exacerbada: bem-vindos a 2050. É daqui a trinta anos. É amanhã.

Seremos capazes de gerir a pressão demográfica de uma população envelhecida nos sistemas de saúde dos países desenvolvidos? Seremos capazes de lidar com os desastres climáticos que levarão dezenas de milhares de pessoas aos hospitais no espaço de algumas horas? Como vamos gerir doenças crónicas? Conseguiremos equilibrar os custos de saúde e encontrar modelos viáveis?

A resposta esperada é “não”. E este quadro negro já foi traçado várias vezes. Não poderíamos tirar partido da tecnologia em vez de suportá-la apenas? Utilizá-la de forma humana e prudente, mas também de forma eficaz e com impacto positivo? Não há realmente nenhuma razão para ser otimista?

Vamos sonhar um pouco…

Bem-vindos a 2050. Um mundo em que cada indivíduo tem uma conta pessoal com uma ficha de paciente centralizada, ligada ao seu smartphone e a todos os dispositivos (médicos ou não) que recolhem todos os seus dados de saúde, contínua e automaticamente. Estes dados estão protegidos, unificados e acessíveis sob restrições regulatórias drásticas. Cada paciente tem um histórico de saúde acessível a todos os estabelecimentos de saúde, evitando explicar tudo de novo, a cada vez, e, acima de tudo, economizar tempo, muitas vezes vital em caso de emergência. Este histórico inclui dados quantitativos (pressão arterial, frequência cardíaca, valores de glicemia) e dados contextuais (consultas e diagnósticos são transcritos em tempo real por Inteligência Artificial).

Graças a esta monitorização permanente, na realidade estamos muito raramente doentes. De facto, o nosso assistente de voz alerta-nos quando deteta uma anomalia, com uma sugestão de protocolo a seguir. A prevenção torna-se a norma e o tratamento nada mais é do que uma quimera.

Neste sistema eficiente, os dados do paciente estão no centro da estrutura e o seu valor reflete-se em três tipos de players:

  • As instituições de saúde, por um lado. Os dados anónimos do paciente são analisados ​​e permitem que as instituições otimizem a sua performance e reduzam custos, antecipando, por exemplo, picos nas urgências ou mesmo ajustando o tempo de espera de um paciente no estabelecimento.
  • Laboratórios farmacêuticos, por outro lado. Os dados do paciente, quando disponíveis, aceleram os processos de Investigação e Desenvolvimento e os ensaios clínicos, o que reduz significativamente os custos.
  • E, por fim, os profissionais de saúde. Uma Inteligência Artificial propõe sempre ao médico um diagnóstico inicial e possíveis opções de tratamento, com base numa análise quantitativa e textual, de acordo com o histórico do paciente e em comparação com milhões de outros pacientes. É apenas um apoio, o médico, por sua vez, acrescenta a sua experiência, a sua intuição e a sua humanidade para afinar esse diagnóstico e tomar a decisão que lhe parece mais relevante. A gestão e o acompanhamento são automatizados, permitindo que o médico dedique mais tempo aos cuidados e intervenha no momento certo.

O paciente não fica esquecido. As instituições de saúde estão menos sobrecarregados e melhor equipados para responder a situações de crise em larga escala, os medicamentos desenvolvidos ​​pelos laboratórios farmacêuticos são mais eficazes, entregues mais rápidos e permitem, assim, lidar com novas doenças ou com a evolução das doenças existentes. A rotina profissão dos profissionais de saúde, libertada de gestão administrativa e beneficiando de suporte tecnológico, torna-se mais atraente e ainda mais eficaz. Os médicos multiplicam-se, oferecendo cuidados de elevada qualidade aos pacientes.

Uma visão atraente, que hoje parece ficção. Então, como a tornamos  uma realidade para 2050?

Três questões importantes são decisivas para o futuro da nossa saúde.

  • A interoperabilidade dos dados: trata-se de encontrar um repositório comum capaz de entender e analisar todos os dados de saúde, independentemente da sua origem.
  • A segurança de dados: trata-se de encontrar um modelo regulatório que permita que todos compartilhem com confiança os seus dados de saúde de forma segura.
  • A adoção por parte dos médicos: é crucial que os profissionais de saúde tenham confiança nesta evolução, acompanhando este movimento e encontrem nele um interesse pessoal fundamental.

 

Para responder a este desafio, as autoridades públicas, os players da saúde e as empresas tecnológicas (dos GAFA às startups) desempenham um papel essencial.

Tanto os GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon), como também a Salesforce, a Oracle e a IBM, renovaram o seu compromisso em reduzir obstáculos à interoperabilidade de dados, graças a um sistema aberto de API baseado na norma americana FHIR (Fast Healthcare Interoperability Resources) para a transferência de dados entre entidades. O Apple Health Records, um tipo de livro digital de saúde lançado em 2018 (versão beta), responde a esse padrão FHIR e agora é usado por 60% dos hospitais americanos.

Se os players tecnológicos juntam esforços, entre si e com os poderes públicos, para construir uma infraestrutura aberta, o impacto positivo pode ser significativo para o setor de saúde.

Mas é claro que se trata de apreender cuidadosamente o novo papel dos players tecnológicos e a sua influência sobre a nossa vida privada. Há uma preocupação com a elevada partilha de dados de saúde com as seguradoras ou com os colaboradores que possa penalizar o paciente. É neste ponto que os reguladores entram em jogo. Na Europa, estamos há anos particularmente protegidos pelas leis de proteção de dados e, mais recentemente, pelo RGPD. O caminho para a adoção para além da União Europeia está gradualmente a ser desenhado.

Finalmente, o futuro que está a ser traçado para a saúde requer uma evolução da profissão de médico, como é o caso em todas as outras profissões. Hoje, de uma medicina híper-especializada, imaginamos amanhã médicos mais polivalentes, apoiando-se em ferramentas técnicas mais poderosas. Por um lado, isso requer a modificação da formação universitária de médicos, mas também potencialmente questiona o modelo de honorários por serviços.

Atualmente, um novo modelo, com base no valor dos cuidados e não no volume, está em vigor em grandes hospitais, principalmente nos Estados Unidos (por exemplo, Intermountain Medical Group, Mayo Clinic) e nos Países Baixos. Uma equação simples torna possível entender este modelo, calculamos o valor para o paciente, dividindo os resultados do tratamento pelo seu custo.

Desenvolvido por Michael Porter e qualificado como “mudança inevitável” (pela Harvard Business Review), este modelo de Value-Based Health Care implica uma reorganização dos seguros, dos pagamentos e dos prestadores de cuidados. Os pagamentos seriam agrupados por ciclos de cuidados prestados e o reembolso seria baseado no tempo, em vez de ser baseado no ato médico, no caso de doenças crónicas. Um projeto importante, que responde às mudanças sociais e ambientais que nos afetam e cujos prestadores de serviços de saúde poderiam ser líderes. Por exemplo, os sete hospitais holandeses da rede Santeon adotaram este modelo, reduzindo em 30% o número de internamentos desnecessários e em 74% a taxa de segundas operações cirúrgicas devido a complicações em doentes com cancro da mama.

Um desafio que provavelmente vale o esforço.


Se a transformação na indústria da saúde é importante para a sua empresa, contacte a FABERNOVEL: