Apple não sente a crise europeia

Nos últimos dois anos a Apple (assim como muitas multinacionais) reforçou a aposta nos mercados Asiáticos e da América Latina. Dois motivos justificariam este “movimento” : entrar em novos mercados de grande potencial e antecipar a recessão económica que  se vive na Europa.

Mas,  a Apple não sente os efeitos da crise europeia. Ao contrário de outras empresas do S&P 500 a Apple deverá apresentar no mercado europeu um crescimento de 32,3%  no segundo trimestre face ao primeiro trimestre do ano. O que complementado com a entrada em novos mercados emergentes antecipa mais um trimestre extraordinário nos resultados da maior empresa do mundo. 

Veja o gráfico comparativo:

apple europe q2 revenue

Fonte: Business Insider

Author avatar
Nuno Ribeiro
Portugal General Manager da agência de inovação FABERNOVEL. Foi diretor da unidade de negócio multimédia do grupo Global Media (2008 a 2012), diretor da unidade de negócios de Internet do grupo Cofina Media (1999 a 2008) e consultor do secretário de Estado da Comunicação Social para a área digital (1997 a 2002). Em paralelo com a atividade profissional foi docente, coordenador de programas executivos e pós-graduações nas Universidades: Católica-Lisbon, Europeia, ISEG e Lusófona (2001 a 2016). Colaborou com artigos de opinião e comentador, sobre temas de inovação, transformação digital e nova economia nos media: Visão, Diário de Notícias, Meios & Publicidade e Económico TV. 
Autor do livro Gerir na Era Digital (2011). É licenciado em Economia pela Católica-Lisbon, onde também concluiu o curso avançado Gestão de empresas tecnológicas e uma pós-graduação em Media e Entretenimento.
We use cookies to give you the best experience.