DESTAQUES GAFANOMICS® [14/JUL/2017]

joachim_renaudin
Por: Joachim Renaudin, analista de projetos na FABERNOVEL INNOVATE Paris

“Destaques GAFAnomics®” é uma compilação dos artigos mais importantes partilhados internamente pela equipa da FABERNOVEL. Encontrará nesta morning toast as últimas novidades da Network Economy. 

Media franceses unem-se contra Google e Facebook

French_publishers_Google_FacebookQuinze empresas de media francesas (incluindo Les Echos, NextRadioTV, Lagardère e L’Equipe) vão juntar forças e criar uma base de dados comum para recolher e partilhar dados sobre clientes.

Nos últimos 20 anos, as empresas de media passaram a ter uma concorrência consideravelmente maior por parte da Google e Facebook. A ascensão destas duas gigantes digitais e da publicidade programática, que permite aos media (re)segmentar anúncios com base no seu histórico de navegação, conduziu a um decréscimo nas receitas dos publishers. Hoje, Facebook e Google representam mais de 75% da publicidade online e praticamente todo o crescimento.

Através da partilha de dados para ter uma visão mais abrangente de todos os consumidores que visitam os seus sites, esta aliança visa tornar-se uma alternativa convincente ao Google e Facebook. Em conjunto, a audiência dos sites destes media representa 50% da população francesa.

Para combater a dimensão gigantesca dos GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon) e os seus efeitos de rede, as empresas tradicionais tendem a cooperar e a formar alianças para conseguir atingir uma escala comparável.

Google cria software que escreve notícias

robo_press
A Google está a financiar uma iniciativa que visa a automação da redação de notícias para a The Press Association, uma agência de notícias do Reino Unido. O software irá utilizar inteligência artificial e dados para escrever mais de 30 mil artigos/mês. O objetivo é ajudar os jornais regionais a continuar a fazer a cobertura de acontecimentos locais, dado que o setor da imprensa está a passar por dificuldades financeiras. Será que o software vai substituir os jornalistas? “Jornalistas com competências continuarão a ser vitais no processo”. Segundo Peter Clifton, editor-chefe da The Press Association, os jornalistas serão responsáveis pela revisão e curadoria das notícias redigidas pelo software, de forma a evitar que os jornais publiquem notícias falsas.

A inteligência artificial ainda carece de melhorias ao nível do detalhe e estilo e pode não substituir os jornalistas num futuro próximo, mas é certo que tenderá a justificar uma redução de postos de trabalho. Nos últimos 10 anos, a Google captou uma grande parte das receitas de publicidade ao setor dos media. Agora quer ajudá-lo a sobreviver ao financiar ferramentas de software.

Maior incubadora do mundo abre em Paris

station_FXavier Niel, fundador da operadora de telecomunicações Free, inaugurou o seu mais recente projeto: a Station F. Esta é a maior incubadora de startups do mundo e irá albergar mais de 3 mil startups no 13º bairro de Paris.

Na FABERNOVEL, acreditamos que a Station F é uma incubadora revolucionária, não apenas pela sua dimensão, mas porque foi construída como uma plataforma que visa incentivar a inovação promovida por startups. A incubadora tem 24 parceiros, entre eles gigantes tecnológicas, como o Facebook, Microsoft e Amazon, que vão fornecer serviços e infraestruturas para apoiar o crescimento destas startups. Bancos e venture capitalists são outros dos parceiros.

A Station F não cria os serviços, mas orquestra a rede de parceiros de forma a maximizar o valor para todo o ecossistema. 

Facebook e Google defendem igualdade de acesso à Internet

Facebook_Google_InternetFacebook e Google participaram num protesto a favor da neutralidade da Internet, juntamente com outras tecnológicas, incluindo a Amazon, Netflix e Spotify. Este protesto apoia a norma vigente que proíbe os fornecedores de Internet de definir diferentes regras de acesso e preços a alguns websites. O apoio de gigantes tecnológicas é, por isso, crucial dado que representam uma grande parte do consumo de largura de banda.

A neutralidade da Internet (igualdade de acesso à Internet para todos os websites) é considerada um fardo no negócio de alguns fornecedores de serviços de Internet, que querem gerar mais receitas ao controlar o tráfego da Internet. Contudo, Google e Facebook estão a fazer esforços para fornecer Internet ao mundo inteiro, através dos projetos Loon (Google) e Free Basics (Facebook), o que, por vezes, indicia que não irão respeitar a neutralidade da Internet para favorecer as suas próprias apps e serviços.