Da TV para a Rádio OnLine

«Babio, it´s my radio» este é o slogan do mais recente projecto do BabyTV, um canal temático para bebés. Na verdade, esta nova rádio online não é mais do que um excelente aproveitamento de conteúdos musicais televisivos para o meio internet. Ao compilar as músicas dos programas e vídeoclips musicais do canal de televisão, o BabyTV conseguiu constituir duas boas playlists, para dois canais distintos “Classical Music”  e “Fun Music”.

Este é um bom exemplo de como um canal de televisão percebeu as possibilidades da Internet e criou uma rádio online.
Para além da novidade da Rádio, o BabyTV faz no seu site on line um excelente interessante de interacção com o seu público alvo (crianças e pais), através de jogos e possibilidade de envio de conteúdo para exibir no canal.

O exemplo do BabyTV é apenas um sinal de que os Media estão cada vez mais despertos para a convergência de meios, para o alargamento das audiências utilizando novos canais de comunicação, para a rentabilização de conteúdos, enfim, para a verdadeira “Era Digital”.

A evolução tecnológica desta nova era reduziu drasticamente os custos de produção audio e vídeo eliminando, na maioria dos casos, as barreiras à entrada.

Problemas de investimento em recursos humanos e materiais, são reduzidos ou mesmo eliminados, quando constatamos que os conteúdos captados por um simples telemóvel, são uma reportagem audio e vídeo de um qualquer acontecimento, em qualquer parte do mundo.

Espreitando ainda o mundo das TV´s na Internet encontramos a MTV Networks que criou também canais de rádio online nos sites da MTV, VH1 e CMT.

Desde a divulgação musical, à transmição de concertos online, a MTV Networks tem sido um dos projectos que melhor tem percebido e acompanhado as tendências do meio digital e dos seus utilizadores, marcando sempre uma forte presença nas plataformas digitais que vão surgindo no mercado, como o Joost e o recente Adobe Media Player.

A Internet é o mundo das infinitas possibilidades para os meios de comunicação social.  E estamos ainda no início…

Nota: Artigo publicado no jornal Meios & Publicidade de 02/05/2008

Tagged with: