Resultados da Apple superam expectativas


Subscreva o nosso podcast em:
Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | TuneIn

 

Resultados da Apple superam expectativas 

A Apple apresentou uma receita de 89,6 mil milhões de dólares, no primeiro trimestre de 2021, um crescimento de 54% em relação ao mesmo período de 2020. O resultado líquido foi de 23,63 mil milhões de dólares. 

Pela segunda vez consecutiva, todas as categorias de produto cresceram a dois dígitos, com o iPad a destacar-se com um crescimento das receitas de 79% (7,8 mil milhões de dólares).
A receita dos serviços, onde se inclui a App Store, a Apple Music e a iCloud, cresceu 27% para 16,9 mil milhões de dólares.
A receita do iPhone foi de 47, 94 mil milhões de dólares, um aumento de 65.5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. 

Nesta apresentação de resultados, a Apple anunciou um aumento dos dividendos de 7% e o reforço do investimento de 90 mil milhões de dólares para a compra de ações próprias.

Nos próximos 5 anos, a Apple fará também um investimento de 430 mil milhões de dólares em todos os Estados dos Estados Unidos, que vai permitir a criação de 20 mil postos de trabalho.

Receitas da Alphabet crescem 34%

A Alphabet, a holding que detém a Google, apresentou receitas de 55,31 mil milhões de dólares, no primeiro trimestre de 2021, o que representa um crescimento de 34% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado líquido foi de 17,9 mil milhões de dólares.

No primeiro trimestre de 2021, a receita de publicidade atingiu os 44,68 mil milhões de dólares, com destaque para a publicidade no YouTube que cresceu 49% para 6 mil milhões de dólares. A Google comprou o YouTube em 2006 por 1,65 mil milhões de dólares e hoje fatura estes mesmos 1,65 mil milhões de dólares, em publicidade no Youtube, a cada 25 dias.  

A receita da Google Cloud cresceu 46% para os 4 mil milhões de dólares, mas ainda tem ainda um resultado negativo. Neste primeiro trimestre, o prejuízo foi de 974 milhões de dólares.  

Esta apresentação ficou marcada também pelo anúncio de um novo investimento de 50 mil milhões de dólares em compra de ações próprias. 

Lucro do Facebook aumenta 94%

No primeiro trimestre de 2021, a receita do Facebook cresceu 48% para 26,17 mil milhões de dólares. O resultado líquido do trimestre foi de 9,5 milhões de dólares, um aumento de 94% face ao primeiro trimestre de 2020.

A receita da publicidade cresceu 46% para os 25,43 mil milhões de dólares. Este crescimento foi acelerado pelo aumento de 30% no preço médio por anúncio. 

 O número de utilizadores ativos por mês do Facebook cresceu 10% para os 2, 85 mil milhões de utilizadores. 

Nesta apresentação de resultados, Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook, destacou o investimento no e-commerce, partilhando que o Facebook Marketplace tem já mais de mil milhões de utilizadores ativos por mês.

E lembrou também que a moeda digital Diem (integrada num consórcio que é liderado pelo Facebook), que deverá iniciar testes este ano, será um dos pilares para o crescimento do e-commerce nos serviços do Facebook.

Quanto a previsões, para este segundo trimestre, o Facebook alertou que as alterações à política de privacidade no sistema operativo iOS da Apple poderão prejudicar o seu negócio de publicidade.

 


Novo modelo económico em rede, inspirado pelos GAFA – Google, Apple, Facebook e Amazon – que integra Unicórnios (startups com valorização acima de mil milhões de dólares), gigantes chineses de tecnologia e todas as empresas que mudam as nossas vidas através da tecnologia e inovação.

Outros acrónimos de empresas que seguem estratégias GAFAnomics®:
NATU – Netflix, AirBnB, Tesla e UBER
BATX – Baidu, Alibaba, Tencent e Xiaomi (os GAFA chineses).

Durma descansado, os GAFA estão a trabalhar… possivelmente para transformar (disromper) a sua indústria.

Quer tornar a sua empresa numa empresa GAFAnomics® ? Contacte a FABERNOVEL.

 

Author avatar
Nuno Ribeiro
Portugal General Manager da agência de inovação FABERNOVEL. Foi diretor da unidade de negócio multimédia do grupo Global Media (2008 a 2012), diretor da unidade de negócios de Internet do grupo Cofina Media (1999 a 2008) e consultor do secretário de Estado da Comunicação Social para a área digital (1997 a 2002). Em paralelo com a atividade profissional foi docente, coordenador de programas executivos e pós-graduações nas Universidades: Católica-Lisbon, Europeia, ISEG e Lusófona (2001 a 2016). Colaborou com artigos de opinião e comentador, sobre temas de inovação, transformação digital e nova economia nos media: Visão, Diário de Notícias, Meios & Publicidade e Económico TV. 
Autor do livro Gerir na Era Digital (2011). É licenciado em Economia pela Católica-Lisbon, onde também concluiu o curso avançado Gestão de empresas tecnológicas e uma pós-graduação em Media e Entretenimento.
We use cookies to give you the best experience.