Etiqueta: Apple

Qual das tecnológicas teve melhor desempenho bolsista nos primeiros seis anos: Microsoft, Apple ou Google?

Todos temos a percepção, do rápido crescimento e da performance bolsista do Google, mas a análise comparativa com os “rivais” Apple e Microsoft é interessante e surpreendente aos dias de hoje.

A Apple foi a primeira a entrar em bolsa (OPV – Oferta Pública de Venda), em 12 de Dezembro de 1980. Seguiu-se a Microsoft em 14 de Março de 1986 e o Google em 19 de Agosto de 2004.

Read More

Nicholas Negroponte: Os livros físicos vão morrer dentro de 5 anos

O maior visionário da Era Digital – Nicholas Negroponte – referiu na semana passada numa conferência da CNBC que os livros físicos vão morrer dentro de 5 anos. Estou certo que muitos estão cépticos sobre esta afirmação de Negroponte, mas vale a pena reflectir antes de dizer: “Impossível!”
Para muitos, esta realidade pode ainda estar longe, mas se percebermos a velocidade que o iPad, Kindle, Nook e outros tablets estão a vender e a forma como as editorias e distribuidoras (como a Amazon.com), se estão a adaptar e a criar novos modelos de negócio e principalmente, como os consumidores estão a alterar a forma de consumo é fácil perceber que Nicholas Negroponte pode estar (como habitualmente) certo neste assunto.

Apple: Woz não saias do “Museu”

Steve Wozniak (Woz), fundador da Apple com Steve Jobs, continua a “meter água” depois de ter deitado “gasolina” no caso “Antennagate”.
Quando a “tempestade” sobre a antena do iPhone 4 estava ao rubro, Woz deu uma entrevista onde “deitou gasolina” sobre o tema “quente” – referindo que ele próprio tinha sentido problemas de recepção no seu iPhone 4 – mesmo antes da conferência de Steve Jobs para esclarecer o assunto.

Apple: Resultados do trimestre

A maior empresa de tecnologia do mundo – Apple – divulga hoje os resultados do último trimestre.
Normalmente, a Apple ultrapassa sempre as expectativas dos analistas e a ansiedade de muitos sobre os resultados que serão apresentados é elevada.
A pesar nas receitas e nas margens estarão as vendas do iPad (com mais de 3 milhões de unidades vendidas nos primeiros 80 dias), e as vendas do iPhone 4 (com 3 milhões de unidades vendidas em apenas três semanas – o dispositivo móvel com maior taxa de crescimento).
Podem penalizar os resultados os investimentos nas aquisições aquisições das empresas: Quattro Wireless(mobile), Lala, Siri, P.A. Semi e esta semana a Poly9.

Read More

Apple: Depois da “Tempestade”…

Afinal, a “Tempestade” criada em volta do problema da antena do iPhone 4 que ficou baptizada como “Antennagate”, não passou de uma curta tempestade.

Na conferência de imprensa de sexta-feira, Steve Jobs explicou o “problema” que afinal é comum a outros telemóveis/Smartphones (veja a análise comparativa que a Apple efectuou), e que não gerou reacções como aconteceu com o iPhone 4. Na verdade as variáveis sobre recepção de sinal não dependem apenas do dispositivo… qualquer utilizador de telemóvel já teve problemas na recepção.

Sobre a conferência e respectivos impactos no mercado aqui deixo alguns dos factos que considero mais relevantes:

– No dia anterior à conferência, surgiu no YouTube a música “The iPhone Antenna Song” criada por Jonathan Mann (um fã da Apple). O vídeo teve destaque em vários sites e blogs de referência. Até agora teve mais de 450 mil visualizações.

– Na abertura da conferência, antes mesmo de Steve Jobs entrar em palco (e para surpresa de muitos), é exibido o video “The iPhone Antena Song” (que antecipou muito do que Steve Jobs tinha para dizer).

Video com a conferêcia de imprensa de Steve Jobs


Destaques da apresentação de Steve Jobs:

Apple numa “Tempestade de Merda”

A saída de Steve Jobs da Apple em 1985 foi provocada por incompatibilidades e maus relacionamentos com o o CEO John Sculley e com Steve Wozniak(co-Fundador da Apple).
Steve Jobs e Steve Wozniak ficaram anos sem se falarem.
A polémica por causa do problema com a antena do iPhone 4 provocou na Apple uma verdadeira tempestade. A definição correcta foi dada por Dave Winer (“pai dos blogs e RSS”): “Apple numa Tempestade de Merda”

Apple, Google, Microsoft, Nokia, Sony e Amazon

Titãs em competição pelo “Monopólio de Consumidores” e “Portagem na Ponte”

Os (actuais) principais players mundiais na criação e definição dos caminhos futuros na Era Digital são: Apple, Google, Microsoft,Nokia,Sony e Amazon.

Todos eles criaram ecossistemas, não compatíveis e tentam ganhar a maior quota em vários mercados e sub-mercados em que actuam, e apostam forte na alavancagem
de posições entre os vários mercados. Por isso, a diversificação de negócios é vital para conseguirem posições dominantes mas, aumenta fortemente a complexidade
na gestão.

A gestão estratégica e operacional em cada um dos sub-mercados onde actuam é um factor determinante para garantir o sucesso.

Perseguem aquilo a que Warren Buffet apelidou de “Monopólio de Consumidores” e “Portagem na Ponte”. Sabem que “The Winner Takes it All”, e por isso, não poupam esforços, tempo e investimentos porque pode não haver “prémio” para o segundo. Sabendo, no entanto, que haverá alguns mercados onde poderão existir fortes concorrentes (por exemplo, o caso da RIM com os Smartphones Blackberry).

Warren Buffet Chairman & CEO, Berkshire Hathaway

Nesta “corrida” um factor determinante é a simbiose entre dispositivos e serviços (online), como forma de defender e fechar aos concorrentes a capacidade de entrar junto dos clientes captados.

Os consumidores passam a ter “barreiras à saída”. A integração de serviços entre os vários dispositivos da marca garantem maior fidelização e menor elasticidade sobre o preço do lado da procura. Por isso, o objectivo neste momento é conseguir a maior quota em cada um dos mercados e criar efeitos de alavanca entre eles. A concorrência é feroz, a contínua evolução tecnológica associada à possibilidade de entrada de novos players e as rápidas alterações de consumo de Media são variáveis importantes e a considerar por qualquer um dos referidos titãs.

Segue uma breve análise à presença de cada um nos mercados (esub-mercados):
Hardware/Dispositivos, Software, Web e Distribuição On Line Digital.