Apple: Com os resultados (Q1-2012) mais espectaculares de sempre…. Novamente!

Não existem muitas empresas na história da gestão, que tenham feito um percurso tão impressionante e tão rápido.
Em 15 anos, a Apple passou de boa a excelente e de excelente a líder.

E mais um trimestre (primeiro do ano fiscal da Apple), com resultados históricos com uma margem operacional de 44,7% a confirmar um ritmo de crescimento impressionante que ultrpassam os objectivos e estimativas dos analistas.

Assim que os resultados foram divulgados a cotação das acções no pré-mercado subiram de imediato 40 dólares por acção atingindo os 460 dólares (+9% do que o preço de fecho).

Os principais indicadores a destacar sobre os resultados:

Análise de resultados no trimestre (Q1 Homólogo) – 2012 Vs 2011
Dólares
2012
2011
Variação
Receitas (Mil Milhões)
46.33
26.74
+ 73%
Lucro (Mil Milhões)
13.064
6.004
+118%
Lucro por Acção
13,87
6,43
+116%

As receitas do iTunes/AppStore atingiram o valor de 1,7 Mil milhões de dólares e que com as vendas extraordinárias dos dispositivos da Apple continuará garantidamente a aumentar trimestre após trimestre de forma exponencial.

Unidades dos equipamentos Apple vendidos no último trimestre:

iPhone: 37,04 milhões (estimativa de 34 milhões)
iPad: 15,4 milhões (estimativa de 13 milhões)
Mac: 5,2 milhões (estimativa de 4,8 milhões)
iPod: 15,4 milhões (estimativa de 13,9 milhões)
Apple TV: 1,4 milhões (sem estimativa… este modelo é ainda um hobby 🙂 )

A Apple apresenta neste momento uma liquidez de 97 mil milhões de dólares na sua tesouraria.
Durante a conference call de apresentação de resultados,  Toni Sacconaghi da Bernstein Research questionou: “O que estão a pensar fazer com todo este dinheiro?”

O CFO da Apple, Peter Oppenheimer, disse apenas que é um tema muito discutido na administração e que reconhecem que de facto tem tido um enorme crescimento de liquidez. Mas, que não tinha mais nada a informar…

Muitos accionistas têm pressionado a Apple a distribuir dividendos, algo que Steve Jobs sempre foi contra. Mas, agora com Tim Cook como CEO muitos accionistas aumentaram a pressão para que haja uma distribuição de dividendos e outros que defendem um buy-back (compra de acções próprias). E há também quem partilhe da opinião de que deveriam efectuar uma grande aquisição…

Evolução da liquidez da Apple:

Fonte: Business Insider

E sobre a tão esperada Apple TV?

Gene Munster da Piper Jaffray, questionou Tim Cook e a resposta foi:

A actual Apple TV está a corer muito bem, vendemos 1,4 milhões de unidades no último trimestre. Em termos de receitas é um hobby. Mas, sem o qual já não conseguimos viver. E não faço mais comentários 🙂

Apple atingiu a fase de maturação diziam em Outubro passado alguns “artistas”… perdão, analistas:
O que dirão agora Alex Guana da JMP Securities  e Ulisses Pereira da Dif Broker que baixaram o rating da Apple em Outubro? Como irão comentar estes resultados e performance da Apple?

Antes de comentarem, vale a pena verem este gráfico:

chart of the day, apple quarterly revenue by product, jan 24 2012

Here’s a breakdown of Apple’s sales by product category. It is an iPhone company now, with 53% of sales coming from the smartphone.

Fonte: Business Insider


Author avatar
Nuno Ribeiro
Portugal General Manager da agência de inovação FABERNOVEL. Foi diretor da unidade de negócio multimédia do grupo Global Media (2008 a 2012), diretor da unidade de negócios de Internet do grupo Cofina Media (1999 a 2008) e consultor do secretário de Estado da Comunicação Social para a área digital (1997 a 2002). Em paralelo com a atividade profissional foi docente, coordenador de programas executivos e pós-graduações nas Universidades: Católica-Lisbon, Europeia, ISEG e Lusófona (2001 a 2016). Colaborou com artigos de opinião e comentador, sobre temas de inovação, transformação digital e nova economia nos media: Visão, Diário de Notícias, Meios & Publicidade e Económico TV. 
Autor do livro Gerir na Era Digital (2011). É licenciado em Economia pela Católica-Lisbon, onde também concluiu o curso avançado Gestão de empresas tecnológicas e uma pós-graduação em Media e Entretenimento.
We use cookies to give you the best experience.