Rimac: De supercarros elétricos à inovação em soluções de mobilidade

  • Através do seu poder na área da engenharia, a startup croata Rimac Automobili descobriu a “fórmula” para construir o carro elétrico mais rápido do mundo.
  • Mais do que um fabricante de automóveis, a Rimac está a posicionar-se como uma empresa de tecnologia para mobilidade e como fornecedora desta tecnologia a outras empresas.

Os carros elétricos estão a transformar a economia de construção dos automóveis: removendo o motor de combustão e de transmissão, reduz-se o número de peças amovíveis essenciais para a sua construção e, consequentemente, os custos. Esta mudança representará uma alteração positiva para o negócio dos fabricantes e também uma diminuição do valor que os consumidores pagam pelos transportes que utilizam.

A Rimac Automobili é um case study interessante sobre como uma startup croata inovou neste segmento, superando as grandes fabricantes automóveis, e está a moldar o futuro da mobilidade (elétrica). A empresa, fundada, em 2009, por Mate Rimac (na altura com 21 anos) foi capaz de desenvolver o carro elétrico mais rápido do mundo – Concept_One

O Concept_One tornou-se o carro oficial de Fórmula E da FIA. Entre outras características, cada roda do veículo é controlada de forma isolada e o travão é capaz de recarregar a bateria sempre que é pressionado.

A estratégia da Rimac passou por desenvolver a grande maioria dos componentes do carro e as suas próprias tecnologias, criando valor para a empresa in-house (para conseguir aplicar este plano, numa fase inicial, captou receitas através de serviços de engenharia prestados a outras empresas, ganhando mais know-how).

Esta é uma empresa data-driven: através de uma série de sensores colocado no automóvel, os dados recolhidos sobre o veículo passam por um algoritmo que dá indicações sobre como melhorar permanentemente os sistemas. O estado de todos os sistemas, dados de telemetria e localização podem ser consultados, em tempo real, através de uma App ou em desktop.

m2m_rimac

Hoje, a Rimac dedica-se ao design e ao desenvolvimento e produção de baterias, sistemas eletrónicos, motores, sistemas de infotainment automóvel, etc, para os seus produtos, mas também para venda a outras empresas em todo o mundo, posicionando-se no negócio B2B.

“A minha filosofia é criar ótimos empregos e conhecimento dentro da empresa e criar o valor para nossa empresa. Acredito que somos o único local no mundo capaz de pegar numa folha de papel em branco e numa quantidade de materiais e produzir um produto complexo desde o design inicial ao produto final – tudo sem sair das nossas instalações” – Mate Rimac, CEO da Rimac

Empresa de tecnologia e mobilidade 

Os supercarros elétricos foram a forma que Mate Rimac encontrou para mostrar o seu  potencial na engenharia. Mas, mais do que um fabricante de automóveis, esta é uma empresa de tecnologia para a mobilidade: produz também bicicletas elétricas, através da sua empresa Greyp, (a ser testadas por departamentos de polícia e exército por todo o mundo) e já implementou a sua tecnologia em cadeiras de rodas, que já estão a ser comercializadas, podendo, vir a aplicá-la também ao setor náutico e aviação.

Origens da empresa: 

  • Com 19 anos, Mate Rimac converteu um BMW e-M3 num veículo elétrico (encontrou as instruções na Internet, encomendou os materiais de que necessitava e pediu ajuda a alguns amigos);
  • Depois de várias melhorias nos componentes, aos 21 anos, concebeu o protótipo daquele que é hoje o carro elétrico mais rápido do mundo – o “Concept_One” (atinge os 355 km/h);
  • A feira “Frankfurt Motor Show” foi a catapulta para a popularidade da empresa. O seu protótipo foi escrutinado por colaboradores de fabricantes como a BMW, Tesla, Audi e Fisker, e “recebido” com surpresa pelo facto de a tecnologia de uma startup ter sido capaz de superar a dos grandes fabricantes.

Mate Rimac faz parte do leque de empreendedores europeus mais bem sucedidos e inovadores da lista, deste ano, “30 Under 30” da Forbes. No ano passado, integrou também a lista de changemakers do Financial Times “2016 New Europe 100“.

mate_rimac1

Tagged with: