Software como extensão do automóvel

  • As fabricantes automóveis tradicionais estão a apostar nos updates de software para criar valor de utilidade.
  • O software é, hoje, o principal catalisador da personalização em massa de produtos/serviços.

As fabricantes automóveis tradicionais entenderam a importância do software na personalização em massa de produtos/serviços e estão a criar valor de utilidade ao permitir uma atualização contínua do software para melhorar a experiência dos utilizadores.

A General Motors (GM) admitiu que vai fazer uma expansão dos updates wireless de software daquela que é a maior frota de carros conectados da indústria e garantir uma atualização e personalização permanentes dos seus sistemas de infotainment. Até agora, os updates ao software da fabricante estão limitados à OnStar, a funcionalidade de comunicações, conectividade e segurança com a qual todos os veículos da GM vêm equipados.

Também a Ford disponibilizou, pela primeira vez,  um update de software ao seu sistema de infotainment Sync3, que permite que os veículos lançados, no ano passado, passem a integrar os sistemas de infotainment CarPlay (Apple) e Android Auto (Google). Este é um ponto crítico, dado que as fabricantes tradicionais estão quase totalmente dependente dos produtos/serviços de empresas tecnológicas para se manterem relevantes e competitivas nos próximos anos.

Outras fabricantes automóveis, como a BMW, Mercedes e Volvo, estão a recorrer a updates wireless para atualizar serviços de streaming de música (Pandora, Spotify, etc) e mapas, por exemplo.

Esta introdução de updates de software na indústria automóvel, um dos pontos fortes na diferenciação atual da Tesla face aos fabricantes tradicionais, provoca alterações profundas na relação com o automóvel que vai melhorando a experiência de utilização (por via do software) e que representa uma revolução para a indústria.