Airbnb prepara entrada no negócio de reserva de voos

Com o anúncio do Airbnb Trips, um guia e uma plataforma que permite o arrendamento de casas e diferentes tipos de reservas (experiências de viagem, voos, etc.), o Airbnb reposicionou-se no mercado de forma a “captar” toda a experiência de viagem. Tirando vantagem da sua base de utilizadores sólida, a empresa está a diversificar o seu modelo de negócio e deu o primeiro passo para se tornar numa empresa de viagens que oferece um serviço integral (Casas, Experiências, Locais, Voos e Serviços).

O Airbnb utilizou a sua plataforma de arrendamento de casas para escalar exponencialmente a sua base de utilizadores e agora está numa fase de mutação para um prestador de vários serviços. A empresa liderada por Brian Chesky prepara-se para lançar um site destinado à reserva de voos e está a considerar diferentes formas de entrar neste negócio: através da aquisição de uma agência de viagens online ou do licenciamento de dados de um fornecedor, como a Amadeus IT Group SA ou a Sabre Corp. É expectável que o Airbnb Flights venha a beneficiar das recentes parcerias criadas com a Delta Air Lines, Qantas e Virgin America.

Esta ferramenta, completamente nova, poderá surgir como uma forma de melhorar as perspetivas da empresa, sobretudo depois desta enfrentar as limitações de normas legais em todo o mundo e porque está perto de “fechar” uma ronda de financiamento, permitindo:

  • Diversificar as suas receitas. Uma nova fonte de receitas pode ser vital para o Airbnb, uma vez que a empresa está a braços com limitações regulamentares em grandes cidades por todo o mundo. Nova Iorque, Amesterdão, Londres e Paris impuseram restrições aos anfitriões relativas à duração do arrendamento das suas casas. A ferramenta Flights poderá mitigar algumas potenciais perdas nos anúncios de oferta de arrendamento e das receitas de negócio provenientes destes arrendamentos (muito embora as margens de lucro nas viagens online sejam, tipicamente, maiores para os hotéis ou no arrendamento de propriedades).
  • Aumentar a competitividade. A plataforma para o arrendamento de casas da Airbnb era um nicho de negócio que talvez não fizesse moça a agências de viagens online como a Priceline ou Kayak, mas o Flights representa concorrência direta a estes players, que oferecem serviços de reserva de voo e hotel. O Airbnb já conquistou uma quota de mercado considerável aos hotéis “tradicionais”, tendo uma base de utilizadores sólida que, com o novo serviço de reserva de voos integrado, poderá optar pelo Airbnb em detrimento de outras plataformas.
  • Atrair investidores. O Airbnb está prestes a fechar uma ronda de financiamento de 556 milhões de dólares (Google Capital é um dos investidores), atingindo assim uma valorização de 30 mil milhões de dólares. Este novo serviço poderá atrair novos investidores, uma vez que pode acalmar algumas preocupações relativas à dependência de uma única fonte de receitas.

Como membro dos NATU – Netflix, Airbnb, Tesla e Uber, o Airbnb tem um metabolismo de crescimento acelerado, inspirado no modus operandi dos GAFA (Google, Facebook e Amazon), e conquistou um forte posicionamento no território das viagens online. Juntando novos ingredientes à sua receita – reserva de voos, experiências, guia de viagem, etc. -, a empresa coloca-se numa boa posição para expandir as suas ofertas à volta do globo, aumentando a sua base de utilizadores. Esta é também uma forma de fortalecer a concorrência em relação às agências de viagem online, que vão ter de encontrar novas formas de driblar esta ameaça e que enfrentam a concorrência também de outras gigantes tecnológicas, como é o caso da Google.