Estamos no início do “momento mais interessante e promissor da História da humanidade”. Sim, estamos! Mark P. Mills, membro do Manhattan Institute e docente de engenharia da Northwestern University, explica-nos porquê no seu livro extraordinariamente cativante “A Revolução Cloud: Como a convergência de novas tecnologias desencadeará a próxima explosão económica e uma década de 2020 espetacularmente única” (2021).

A Cloud é a maior infraestrutura que a humanidade já construiu, e ainda está a construir num ritmo acelerado. Qualquer que seja a medida que se use: investimento, extensão, capilaridade, ligações, energia… jamais alguma infraestrutura foi tão grande quanto a Cloud.

A visão de Mills é que tudo está a acontecer a um nível épico e que a década de 2020 será ainda mais espetacular do que os feitos da engenharia e da ciência de há cem anos. A convergência de uma nova infraestrutura de tratamento de informação, de novos materiais e de novas máquinas já está a mudar a nossa realidade e será o trampolim para uma mudança ainda maior.

A Humanidade já extraiu muito valor das inovações tecnológicas dos últimos tempos, mas o grande salto, já em marcha, vai explodir na década de 2020. Desta vez, inédito na História, temos a Cloud a acelerar e a amplificar os impactos dos saltos tecnológicos. O próximo boom começa agora.

O que vai impulsionar este grande salto?


De acordo com Mills, a convergência de tecnologias impulsionará um boom económico na próxima década, que os historiadores caracterizarão como os “Roaring 2020s”. Não virá de uma única grande invenção, mas do alinhamento dos avanços significativos de três domínios tecnológicos críticos: microprocessadores, materiais e máquinas.

  • Os microprocessadores, mais rápidos e energeticamente mais eficientes, estão cada vez mais incorporados em tudo e em todo o lado.
  • Os materiais, a partir dos quais tudo é construído, estão a surgir com capacidades novas, quase mágicas.
  • E as máquinas, que fabricam e movem todo tipo de bens, estão a passar por transformações significativas, seja de eficiência, seja de capacidade.

A acelerar e amplificar os impactos de tudo isto está a Cloud, a maior infraestrutura da História, assente em microprocessadores de última geração e inteligência artificial.

De facto, este alinhamento de fatores não é novo. A revolução tecnológica que impulsionou a grande expansão económica do século XX é frequentemente atribuída a um alinhamento semelhante, que foi visível pela primeira vez na década de 1920: uma nova infraestrutura de transmissão de informação (telefones), novas máquinas (automóveis e centrais de energia) e novos materiais (plásticos e medicamentos).

Invenções únicas não geram grandes booms de longo prazo. São necessários movimentos que alinhem os fatores nos três domínios centrais da tecnologia – informação, materiais e máquinas. Ao longo da História, isso só aconteceu algumas vezes.

Neste contexto, Mills defende que abraçar a automação levará à inovação em todas as áreas da sociedade e a análise de big data levará a inúmeras descobertas científicas e médicas. As organizações, de qualquer natureza ou dimensão, terão que se integrar na Cloud com urgência e sem hesitação.

Assim sendo, Mark P. Mills apresenta uma visão radicalmente diferente e otimista do que está para vir. O otimismo de Mills sobre o futuro baseia-se na noção de que a Cloud representa mais um grande salto tecnológico que permitirá que os empreendedores de amanhã, apesar de não a terem criado, capitalizem nas suas capacidades de forma notável gerando avanços impressionantes para a Humanidade.