Millennials: não é uma geração, mas um “mindset”

patricia

Artigo de Patrícia Ruiz, analista na FABERNOVEL INNOVATE

Nos dias que correm, tratar todos como um todo pode tornar-se perigoso ou até mesmo um erro, seja porque na sociedade em que vivemos estão presentes várias gerações diferentes, seja porque não podemos afirmar que um indivíduo, com um background e atitudes próprias, é igual a outro. Embora nos incluamos numa geração específica, todos somos diferentes e cada um encontra a sua voz numa variedade de formas de agir, sentir e ver.

A sociedade move-se cada vez mais rápido, mas todos temos o nosso próprio ritmo (independentemente da geração de que fazemos parte).

Valores de um “Millennial” mindset

Os jovens de hoje não são necessariamente mais descuidados ou despreocupados, julgando pela idade que os move, apenas, valorizam qualquer coisa que otimize tempo, esforço e custo.

Os millennials, nativos do digital, encontram no smartphone, no computador ou noutros dispositivos um meio de informação, conversa e entretenimento, assim como também gostam de construir as suas relações pessoais e de amizade no mundo real.

O facto de terem crescido com o acesso à informação à distância de um dedo, acostumou-os a um estilo de vida on-demand e mais self-service, sendo que no seu quotidiano esperam que tudo tenha uma experiência em sintonia com a tecnologia e com a cultura online.

Pesquisam, testam e escolhem, onde e como querem estar seja nos media sociais, seja no mercado de trabalho. É esta a geração que vai ocupar cerca de 75% da população ativa global até 2025, sendo que se sentem mais atraídos por empresas que apostam num contexto de inovação contínua e numa valorização de aspetos pessoais dos colaboradores.

Hoje, a permanente volatilidade dos mercados e a resposta atempada da cultura organizacional capaz de responder a estas alterações permanentes, são dos maiores desafios que os gestores enfrentam, fator pelo qual devem considerar os millennials como aceleradores destes processos de transformação, pois estes valorizam a rapidez e flexibilidade nas suas funções.

“Esperemos que isso seja o mundo do futuro e é nessa direção que estamos a trabalhar; tentando obter maior flexibilidade na generalidade da força de trabalho.” – Richard Branson, Fundador do Virgin Group

Não existe uma fórmula específica para garantir o envolvimento dos millennials, contudo, para construir um modelo de organização híbrido é vital uma boa comunicação interna e a criação de equipas multidisciplinares, que respeitem os valores e a visão global.

“…há alguns meses atrás, sugeri que o primeiro passo era perceber o significado do termo “millennial”. NÃO é uma geração, é um mindset.” – Philippe von Borries, cofundador e CEO da Refinery29