As novas experiências de compra

  • As plataformas digitais permitiram às empresas de comércio electrónico um nível de conhecimento exato dos seus consumidores, que impulsionou o surgimento de novos modelos de negócios de comércio de produtos.

  • A importância dos smartphones no nosso dia-a-dia será relevante para garantir uma comunicação assente em geolocalização: passaremos a receber (se o desejarmos) a comunicação dos retalhistas com a promoção personalizada ou um simples convite para visitarmos a loja que está ao nosso lado.

nuno

Artigo de Nuno RibeiroPortugal Country Manager da FABERNOVEL

 

A forma como compramos e nos relacionamos com as empresas e marcas está a mudar. As plataformas digitais permitiram às empresas de comércio electrónico um nível de conhecimento exato dos seus consumidores – o que compram, onde compram, em que altura do ano, dia, mês e hora, como reagimos às recomendações que nos apresentam -, o que permite um elevado nível de personalização.

Com base no conhecimento do consumidor, surgiram novos modelos de negócios de comércio de produtos. Copiando o modelo de negócio iniciado pela imprensa, com a subscrição/assinatura de jornais e revistas, surgiu o modelo de subscrição de produtos, como, por exemplo, lâminas de barbear. A regularidade do consumo deste tipo de produto foi o mote para o nascimento da startup Dollar Shave Club e o seu sucesso motivou a sua recente aquisição pela Unilever, por mil milhões de dólares. Esta valorização não está só relacionada com as receitas e lucros da empresa, mas sim com o conhecimento do consumidor e o potencial de rentabilização da plataforma para potenciar a venda de outros produtos da Unilever.

Outra das novidades é passarmos a ser surpreendidos, pelas empresas e marcas, com o envio de produtos sem que os tenhamos encomendado, com a possibilidade de os avaliarmos, e caso não tenhamos interesse os possamos devolver. É o que está a fazer, por exemplo, a STICH FIX.

A importância dos smartphones no nosso dia-a-dia é um forte acelerador do comércio electrónico, mas começará também a ser relevante para garantir uma comunicação assente em geolocalização: passaremos a receber (se o desejarmos) a comunicação dos retalhistas com a promoção personalizada ou um simples convite para visitarmos a loja que está ao nosso lado.

Entrar numa loja que sabe quem somos, quais os produtos que retiramos das prateleiras e os contabiliza automaticamente, sendo o pagamento automático assim que saímos da loja, sem que tenhamos de passar numa caixa ou apresentar o cartão para pagamento, é o que está a testar neste momento a Amazon, com as novas lojas físicas Amazon Go.

 

Bem-vindo ao futuro das novas experiências de compra

 

Nota: Artigo publicado na revista Visão 

Tagged with: