Google financia software que escreve notícias

  • Google está a financiar um software destinado a escrever notícias.
  • A inteligência artificial está a transportar o jornalismo para uma nova Era?

Os Media foram das primeiras indústrias a ser transformadas pelo digital e, nos últimos 10 anos, os seus negócios de publicidade foram fortemente abalados por duas gigantes tecnológicas – Google e Facebook. Agora, a Google quer ajudar estas empresas a sobreviver ao financiar software para um projeto da agência britânica Press Association, cuja finalidade é que 30 mil notícias por mês sejam escritas por robôs.

À medida que as empresas de Media estão a promover a sua transição para empresas “tecnológicas”, a inteligência artificial assume-se como uma peça chave para aumentar a oferta, melhorar a experiência dos utilizadores e optimizar recursos. É o caso da Press Association que tem vindo a explorar as potencialidades do software para a produção de conteúdos ligados ou desporto e finanças.

Os algoritmos são especialistas no processamento de dados e podem ser relevantes na elaboração de notícias com um cariz tendencialmente estatístico, quer sejam relacionadas com política ou catástrofes naturais (caso do Quakebot, do Los Angeles Times).

O Le Monde, por exemplo, suportou-se significativamente em algoritmos para fazer a cobertura das eleições francesas em 2015 e, mais recentemente, o Washington Post desenvolveu um software próprio (Heliograf) para escrever notícias sobre os últimos Jogos Olímpicos e as últimas eleições norte-americanas.

washington_post_olympics_results
Exemplo de tweets gerados pelo software Heliograf, do The Washington Post, durante os Jogos Olímpicos.

Na Era digital, o jornalismo está a aliar a inteligência artificial à especialidade humana para produzir um maior número de notícias e ir ao encontro das preferências de diferentes audiências. O processamento de dados é deixado à responsabilidade do software e os conteúdos que carecem de maior detalhe são redigidos por jornalistas, criando maior valor para os leitores.